Delegados lançam o 7º livro da série Doutrina e Prática

Delegados lançam o 7º livro da série Doutrina e Prática O evento, que aconteceu no dia 26 de julho na sede do Ministério da Justiça, teve mesa de debates e a presença do jornalista

-----

Alexandre Garcia

“Combate às Organizações Criminosas”, o sétimo livro da série Doutrina e Prática escrito por delegados das Polícias Federal e Civil, foi lançado no último dia 26 de julho, na sede do Ministério da Justiça, em Brasília. A obra faz parte de uma coletânea de artigos de 14 profissionais especialistas no tema e por um juiz federal, e que expõe as técnicas usadas durante as investigações. O evento, que contou com a presença do jornalista Alexandre Garcia, um dos autores do prefácio do livro, teve uma mesa de debates, onde os autores explicaram os temas abordados.
Segundo o delegado federal Clayton da Silva Bezerra, presidente do Sindicato do Rio de Janeiro e vice-presidente da Federação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (Fenadepol), o livro faz parte de uma série em que mostra a forma acadêmica da atuação dos policiais. “Começamos com o primeiro, que foi sobre o inquérito e hoje estamos no sétimo”, explicou Clayton. “No início foram 14 delegados que escreveram os artigos e até agora já somaram 109 autores”, acrescentou o vice-presidente da Fenadepol.

Autor de um dos prefácios, o jornalista Alexandre Garcia elogiou a atuação da Polícia Federal, afirmando que, enquanto muitos cultuam a criminalidade, a PF é que mantém a aplicação da lei. “É um bom exemplo de que a lei tem que ser cumprida”, ressaltou o jornalista. “Eu aplaudo o trabalho de vocês”, disse ele aos delegados presentes do evento. Segundo ele, é a instituição que sempre está presente quando há necessidade, principalmente nos momentos atuais.

Segundo o delegado Giovani Celso Agnoletto, um dos organizadores do livro, com Clayton Bezerra, o trabalho dos delegados tem que ser mostrado pela forma como ele foi executado. “A gente produz muita coisa boa”, observou. “Mas sempre falamos do que fazemos, mas até então não tínhamos uma produção sobre o aspecto acadêmico”, acrescentou Benito, que foi um dos debatedores junto com os delegados Alessandro Gonçalves Barreto, Benito Tiezzi, Edvandir Felix de Paiva, Luis Flávio Zampronha, Tácio Muzzi e o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, também um dos articulista.

Para a presidente da Fenadepol, delegada Viviane da Rosa, a instituição que dirige sempre dará apoio a propostas como essa. “A série de livros mostra que também temos a necessidade de mostrar nosso trabalho de uma forma mais acadêmica”, afirmou ela, ressaltando que o trabalho também poderá ser um instrumento para aqueles que queiram ingressar na Polícia Federal. “Os livros não deixam de ser um meio de auxiliar aqueles que pretender seguir a carreira policial, pois adotam temas diversos, que começou com o Inquérito Policial e agora está no Combate ao Crime Organizado”, explicou a delegada.
Participaram do livro “Combate às Organizações Criminosa”, os delegados Alessandro Gonçalves Barreto, Benito A.G Tiezzi, Eduardo Mauat da Silva, Everton Ferreira de Almeida Férrer, Francisco Sanini, Giovani Celso Agnoletto, José Anchiêta Nery Neto, Luís Flávio Zampronha, Luiz Carlos Nóbrega Nelson, Márcio Adriano Anselmo, Márcio Alberto Gomes Silva, Rubens de Lyra Pereira, Ruchester Marreiros Barbosa, Tácio Muzzi, além do juiz Vallisney de Souza Oliveira.

O livro teve apoio da Fenadepol, FundaçãoBrasileira de Ciências Policiais, Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Associação dos Delegados de Polícia Judiciária e o Sindicato dos Delegados de Polícia do Distrito Federal.

MEMBROS DA UPB LEVAM PAUTA DA SEGURANÇA PÚBLICA AO REPRESENTE DA OIT NO BRASIL

MEMBROS DA UPB LEVAM PAUTA DA SEGURANÇA PÚBLICA AO REPRESENTE DA OIT NO BRASIL

21/06/2018

Membros da União dos Policiais do Brasil (UPB) se reuniram, na manhã desta quinta-feira (21), com o representante da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Martin Hahn, para tratar da importância da inclusão da segurança pública nas pautas da OIT, que é a única agência das Nações Unidas que tem estrutura tripartite, na qual representantes governos, de organizações de empregadores e de trabalhadores de 183 Estados-membros participam em situação de igualdade das diversas instâncias da Organização.

A UPB apresentou à OIT um ofício com dados extraoficiais das mortes de segurança pública, com base nas pesquisas da FGV e das entidades sindicais, além de uma sugestão para a criação um grupo de trabalho sobre essa temática na OIT. Ainda ressaltou que não há dados oficias por parte do Governo brasileiro, o que mostra que não há uma atenção concreta do Estado sobre o tema.
Os membros da UPB deixaram a reunião animados com o posicionamento dado pela OIT sobre o tema.
Participaram  da reunião na OIT: a Presidente da FENADEPOL, Viviane da Rosa, Deolindo Carniel da Federação Nacional da Polícia Rodoviária Federal, Maria do Socorro (SINDEPOL ), Marcus Firme (FENAPEF ), André Morisson (Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais), Creusa Camelier da AMPOL e Marcele Alcântara, que respresentou tanto o Sindicato dos Policiais Civis do DF como a Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (COBRAPOL).