UPB e Polícia Federal decidem entrar em estado de greve

Na manhã desta quarta-feira (5/4), em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) convocada por dez entidades de classe da Polícia Federal foi decidido entrar em estado de alerta de greve. A decisão tomada é em resposta à Proposta de Emenda Constitucional 287/16, que afeta diretamente na aposentadoria dos profissionais de segurança pública.

A relatoria da PEC estava marcada para o mesmo dia da AGE, mas foi adiada. Atualmente, somente Forças Armadas, polícia militar e bombeiros mantém a classificação de atividade de risco, que interfere no cálculo da aposentadoria.

“Não podemos deixar o governo usar a PEC 287 para prejudicar os profissionais de segurança pública”, declarou o presidente da Fenadepol, Sandro Torres Avelar.

Participaram da assembleia Associação Brasileira dos Papiloscopistas Policiais Federais – ABRAPOL, Associação Nacional das Mulheres Policiais do Brasil – AMPOL, Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal – ADPF, Associação Nacional dos Escrivães Polícia Federal – ANEPF, “Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais – APCF, Associação Nacional dos Servidores da Polícia Federal – ANSEF, Federação Nacional dos Policiais Federais – FENAPEF, Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal – FENADEPOL, Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no DF – SINDEPOL/DF, Sindicato dos Policiais Federais no DF – SINDIPOL/DF.

Proibição de Greve

Ainda nesta quarta-feira, o STF votou para proibir a greve para todas as carreiras policiais, em âmbito municipal, estadual e nacional. Foram 7 votos a 3, ganhando por maioria. Também foi definido, por maioria, que o Supremo deve participar das negociações entre as entidades de representação e o governo.
Diante da decisão da Corte, a União dos Policiais do Brasil irá se reunir nesta quinta-feira (5/4) para avaliar que medidas podem ser adotadas. Entrementes, a presidente do Sindepol/DF, Vivane da Rosa, afirmou que vão “confirmar o estado de alerta dos policiais federais em todo o território nacional, até ulteriores deliberações! A união de todos nós fortalece para o enfrentamento das adversidades que militam contra a dignidade dos Policiais Federais! ”.

Entrega de armas
Além do alerta de greve, foi programado o “Ato de Entrega de Armas”, a se iniciar no dia 6 de abril. Durante cerimônia simbólica, agentes de todo Brasil entregam seu equipamento de trabalho para o governo, iniciando estado de greve em diversas categorias: policiais federais, rodoviários, civis, peritos criminais e guardas municipais.
No dia 18 de abril, profissionais da segurança pública do país inteiro se mobilizam para fazer manifestação em frente ao Congresso Nacional, pressionando para que seja mantida a classificação de “atividade de risco”.