FENADEPOL participa da reunião da União dos Policiais do Brasil

FENADEPOL participa da reunião da União dos Policiais do Brasil

Na tarde desta quinta-feira (12), o presidente da FENADEPOL, Sandro Torres Avelar e a Vice-presidente para Assuntos Sindicais, Viviane da Rosa, estiveram reunidos com os demais integrantes da União dos Policiais do Brasil (UPB), na sede da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF).

A pauta principal da reunião foi a organização do Dia Nacional de Mobilização das Categorias da Segurança Pública, que acontecerá no dia 8 de fevereiro, às 13h30, em frente ao Ministério da Justiça.

O ato nacional será em defesa da aposentadoria do policial, que tem sido ameaçada pela PEC 287/2016, a chamada Reforma da Previdência.

“É inaceitável, no país onde mais morrem policiais em serviço no mundo, o governo federal retirar da constituição que nossa atividade é de risco! Isso tem que ser revisto!", enfatizou Sandro Torres Avelar, presidente da Fenadepol.

Durante a mobilização serão entregues cartilhas que explicarão de uma forma didática o que a Reforma da Previdência propõe e como isso prejudicará a aposentadoria dos Policiais Brasileiros.

Além dos policiais do Distrito Federal, já confirmaram a presença na mobilização os policiais de Goiânia, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Os demais Estados que não vão poder comparecer ao movimento em Brasília, farão ações nos aeroportos das capitais federais.

Esta foi a terceira reunião do grupo que engloba 31 categorias da segurança pública brasileira, abrangendo desde as Guardas Municipais às polícias e instituições de alcance Federal.

No encerramento da reunião, as entidades elaboraram um oficio para o Ministro da Justiça, reiterando uma posição a respeito da solicitação enviada em 14 de Dezembro de 2016, que é o agendamento de um encontro que tem como pauta a PEC 287/2016.

O grupo se reunirá novamente no dia 19 de janeiro para deliberar outros assuntos das mobilizações feitas em várias frentes.

Criação

A União dos Policiais Brasileiros nasceu da proximidade de categorias da Segurança Pública na luta contra o fim da aposentadoria policial.

Entidades que estiveram presentes na Reunião:

ABC – (Associação Brasileira de Criminalística)

ADPF – (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal)

AMPOL – (Associação Nacional das Mulheres Policiais)

ANEPF – (Associação Nacional dos Escrivães Polícia Federal)

APCF – (Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais)

APCN – (Associação das Polícias do Congresso Nacional)

COBRAPOL – (Confederações Brasileiras dos Policiais Civis dos Estados) FENAGUARDAS – (Federação Nacional dos Sindicatos de Guardas Civis) FENAPEF – (Federação Nacional dos Policiais Federais)

FENAPRF – (Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais)

SINDEPOL-DF – (Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no DF)

SINPOL – DF (Sindicato dos Policiais Civis do DF)

SINPEF-GO (Sindicato dos Policiais Federais do Góias)

SINPEF/RN (Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Norte)

 

   

 

Assessoria de Imprensa da FENADEPOL

Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal.
(61) 3223-3859

(61) 9-83811133

 

Ministro da Justiça se compromete a agilizar pautas importantes para servidores policiais

Em reunião com entidades representativas de órgãos policiais na última quinta-feira (17), o Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, se mostrou receptivo às questões colocadas em pauta pelos sindicalistas e disse não haver dificuldade para colocá-las em destaque para serem levadas a frente.

A reunião, de iniciativa do Deputado Federal Gonzaga Patriota (PSB/PE) ocorreu no gabinete do ministro, no Palácio da Justiça. O parlamentar explicou para Alexandre de Moraes que além de incômoda, a revalidação do registro de armas de fogo feita a cada três anos vem a ser cara para os servidores. Gonzaga Patriota discursou também sobre a importância do porte para os policiais aposentados. “Quem é médico ou professor quando se aposenta não tem problemas, segue sua vida e ninguém o reconhece na rua. O servidor policial não, ele é policial a vida toda”, afirmou o parlamentar.

O deputado entregou ao ministro um documento com a explicação acerca da pauta para não estender a reunião, em anexo ao ofício, estavam os pedidos formalizados em 2012 endereçados ao chefe da pasta à época, José Eduardo Cardozo e também à Gleisi Hoffmann, que era Ministra-Chefe da Casa Civil do governo no ano em questão. Gonzaga Patriota destacou que há quatro anos o assunto está parado.

Agilidade no registro de porte de armas
Outro assunto colocado em mesa foi uma medida para agilizar registro de armas dos policiais. Renato Dias, Diretor Parlamentar da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) explicou ao responsável pelo Ministério da Justiça que o registro poderia passar a ser de responsabilidade de cada instituição policial. Flávio Werneck, vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) informou que o pedido desafogaria a Polícia Federal, que atualmente concentra todos os registros e ainda tem outras demandas de igual importância.

Alexandre de Moraes esteve atento a toda discussão e disse não ver dificuldades para tocar as pautas, mostrando interesse e concordando com as afirmações feitas pelos representantes de entidades policiais presentes.

Estiveram presentes na reunião além do Presidente da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Sandro Avelar, o Deputado Gonzaga Patriota, a  FenaPRF , o vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Flávio Werneck; o Presidente da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis, Jânio Gandra.

 

Fonte: FENAPRF